terça-feira, 8 de junho de 2010

Jornais

Gosto muito de jornais e de revistas, assim como gosto também de furúnculos no rabo e de carne estragada. De entre toda a imprensa escrita, convém referir que nutro especial afeição pela imprensa portuguesa.


Antes de mais, gosto dos nossos jornais porque, em certa medida, os jornais portugueses, funcionam um pouco como a ciência: a sua verdade de hoje é desmentida amanhã, o que nos faz ficar suspensos, na antecipação de saber como a manchete de hoje vai ser estraçalhada amanhã... o que é bem pensado, assim um gajo tem a sensação que está a seguir uma novela, daquelas boas, escritas pelo Tozé Martinho.

Outra coisa que gosto nos jornais é a maneira como lançam humoristas. É de louvar! Em tempo de escassa aposta na ficção humorística nacional, por parte das televisões, é aqui, no papel, que muitos humoristas exercem a sua profissão. O que eu me ri hoje ao ler, no Correio da Manhã, a peça que a humorista Vânia Nunes quis passar por jornalismo: “"O facto de ser virgem não me impede de vir ao Salão Erótico", revelou Margarida Menezes, sorridente. Considerada uma rapariga "sem preconceitos", a presidente do Clube das Virgens assistiu atentamente aos espectáculos de striptease, viu um filme pornográfico a três dimensões e deu uma espreitadela nos objectos sexuais que estavam à venda.”. É ou não é uma piada brutal?! Ãh? Ahahahahah! Que riso! Toda a construção da piada é muito boa, diga-se de passagem. Ora vejam: primeiro a inversão da Margarida Menezes é muito bem conseguida; depois, o facto de um jornal em tempo de crise social, de crise financeira e de crise política, no tempo em que metade do Oceano está carregado de petróleo que, parecendo que não, até mata meia dúzia de espécies, no tempo em que uma Inspectora da PJ é acusada de corrupção, ter como notícia a Presidente do Clube das Virgens na Feira Erótica; e, por fim, o pastiche dos livros da saudosa Anita. Quem não se lembra do Anita vai à Praia, Anita Vai ao Zoológico, e.t.c.? Pois aqui, Vânia Nunes, num acesso de criatividade, aproveita o formato e escreve o Margarida Menezes vai Ao Salão Erótico. Muito boa esta graçola da Vânia que, confesso, me deixou um pouco invejoso. Um aplauso!.... Oi?! Estão agora a dizer-me que aquilo afinal não era uma peça de humor, era mesmo uma notícia... a sério?!... Bem... ok... 

Mas nem só de humor e de manchetes vive um bom jornal, não senhor! Um bom jornal precisa também de cronistas, uma raça pela qual nutro especial apreço, na medida em que me fazem sentir uma comichão raríssima, muito semelhante a urticária ou a limpar o rabo em urtigas.

Os cronistas são, na sua maioria, pessoas extremamente sábias e, consequentemente, escrevem artigos carregadinhos de sapiência, nos quais pululam as respostas para todos os problemas mundiais, ao mesmo tempo que educam o pobre e inculto mortal que os leia. Como este aqui do preclaríssimo César das Neves, no Diário de Notícias:

A democracia está a passar por um momento muito perigoso. Não só a crise mundial favorece os extremismos, mas o sucesso chinês revela um modelo alternativo, mostrando que se pode atingir a prosperidade sem liberdade.”.

Oi, então não querem ver que o César está aqui a fazer um apologismo da ditadura? Não, não pode ser... devo estar a interpretar mal, logo um senhor tão distinto e inteligente como ele...não.. devo estar enganado, ora deixa-me cá continuar a lêr:

As futuras gerações vão ser tentadas a abandonar aquilo que para nós é um consenso evidente. Estes nossos anos podem acabar na História como episódio isolado de uma bela experiência política”.

Pois... bem me parecia que estava enganado, ele afinal está é receoso que a democracia acabe... mas... porquê? Porque teme o César que a Democracia cesse de existir?

Porque “É na sua própria fragilidade que a democracia encontra os maiores perigos”!

Ah bom! E então que perigos são esses óh César?

Portugal aprovou a lei do casamento de pessoas do mesmo sexo

... Ok... não estou a conseguir seguir o teu raciocínio César, que perigo pode trazer isso à democracia?

Num país em convulsão com crise e desemprego, os parlamentares juntam-se momentaneamente, o Tribunal Constitucional cede à ideologia, o Presidente lava as mãos como Pilatos e muda-se a definição de casamento (…) Se até o casamento mudou assim, o que é que está a salvo?”

Epá, óh César, não estarás a exagerar um pouco? Não foi esta decisão uma atitude democrática e vanguardista?

A atitude de fundo que os suporta é a apoteose do narcisismo, fechado à fecundidade e centrado no prazer. A actual visão dominante do casamento, de qualquer sexo, é hedonista, precária, egoísta. Mas esta tolice ideológica não durará muito, como não duraram os delírios das gerações anteriores que hoje tanto nos desgostam. Apesar dos ataques, a verdade da família, baseada numa doação mútua, estável e fecunda, resistirá. Aquilo que no processo pode desaparecer é a nossa democracia, sacrificada, como no século XX, no altar da arrogância dogmática

Ah... ok... pois... ainda bem que existem artigos como os teus para nos educar a todos. Bem haja!

E pronto, é por isto que eu adoro jornais.

16 comentários:

  1. sim, gosto bastante de ler os artigos
    dos jornais, e salientaste e bem aqui
    os humoristas...

    ResponderEliminar
  2. LoooLLLL maionese
    Bom post tem dias que me estatelo a rir!
    Jornalismo português?
    E os que dizem que são de investigação?!

    ResponderEliminar
  3. O mais interessante é que estamos a falar de imprensa, ou seja, a determinado ponto tiveram a oportunidade de ler o que escreveram e colocar a mão na consciência antes de mandar publicar.

    ResponderEliminar
  4. o problema é que são estes os idiotas que formam a opinião pública... um público que não se chateia a pensar lê e vai atrás...

    enfim!

    ResponderEliminar
  5. Estou irritadíssimo! Não recebo a Dica da Semana!

    ResponderEliminar
  6. é o que dá haver democracia a mais meu caro. (:

    ResponderEliminar
  7. Em relação ao sr. César também já me pronunciei. Mas tem escrito artigos muito mais umorísticos do que o que nos relata.Este revela melhor uma outra faceta da personagem, que me coíbo de classificar, para não adulterar a Maionese.

    ResponderEliminar
  8. Aprecio imenso o teu escape pelo absurdo! lol

    ResponderEliminar
  9. maionese fora de prazo
    cuidado com os idos de março
    quem com César brinca
    ou o esfaqueia
    ou fica definitivamente fora de prazo

    ResponderEliminar
  10. Fonix! Agora com este teu maravilhoso post...Ui! Fiquei a amar os CORNISTAS...oS...ai, os...Pronto, o jornal mesmo...não sei se me faço entender! O próprio do papel...Fogo!
    Espectáculo! Força na maionese! ;)
    Beso

    ResponderEliminar
  11. Maionese,

    Humedecem-me os olhos sempre que penso no professor César das Neves. Umas vezes de rir outras de chorar (por rir compulsivamente) outras há que simplesmente me dá fome e tenho de ir almoçar por não encontrar as coisas belas de que ele fala e só ele vê. Da mesma crónica cito esta maravilha sobre a recente alteração na instituição "casamento":

    "Esta lei não surgiu do nada. Ela constitui apenas o mais recente passo de uma vasta campanha de promoção do erotismo, promiscuidade e depravação a que se tem assistido nos últimos anos. Por detrás de leis como o aborto, divórcio, procriação artificial, educação sexual e outras está o totalitarismo do orgasmo. Parece que o deboche agora se chama "modernidade". Mas se um dia, em vez de uma maioria porcalhona, tivermos um parlamento nihilista, espírita, xenófobo ou iberista, o que salva a identidade nacional?"

    São extraordinárias, como cerejas (e agora até comia), as palavras de C.Neves. A reter para um futuro próximo: Totalitarismo do orgasmo e Maioria porcalhona.

    Conclusão: A branca que circula no mercado anda cortada demais.

    ResponderEliminar
  12. OK. Já perceb, adoras a imprensa cor-de-rosa a fuguir para a cor do burro quando foge.lolol
    de facto a nosso imprensa, consegue fazer notícias do nada e de uma grande notícia reduzi-la á inexistência.
    Tenho uma recordação para ti e para todos os portugueses, no meu blogue.

    ResponderEliminar
  13. essa imagem da maionese... grrr DA RAIVA! muda isso :O

    Tem aspecto de... PODRE :O

    ResponderEliminar
  14. Esse senhor foi meu professor o ano passado. É um homem inteligente e bem-disposto mas é tão conservador que é quase fascista! Apre!

    ResponderEliminar
  15. Legal o jeito que você escreve ...
    Dá para rir bastante ....
    bj

    ResponderEliminar